1° Festival Criatura de Artes Integradas

03 à 08 de novembro. 2019

Centro de Referência da Juventude

Belo Horizonte. MG

BH recebe o I° Festival de Artes Integradas – Criatura, entre 03 e 08/11, com programação educativa diversificada nas áreas integradas de artes, tecnologia, cidade e comunicação. Os encontros acontecem no Centro de Referência da Juventude (CRJ), em programação que conta com oficinas, rodadas de conversa e uma Mostra de Encerramento.
        A abertura do Festival é ocupando as ruas da cidade com um o “Pedalando pelos Muros”, em uma rota de 10km guiada pelo Instituto Amado, em meio a mais de 50 obras de artes urbanas espalhadas pelo centro de BH. A Yellow Bikes irá disponibilizar 20 bicicletas para os participantes e todos são bem-vindos. A pedalada irá terminar em uma celebração de abertura do festival, que será realizada na rua Antônio de Albuquerque, na porta da galeria Quarto Amado, em frente ao número 384, na Savassi. A festa será gratuita e aberta ao público, e a programação musical composta pelos DJs Fumaça, Raquel Feu e Bill, se estenderá até o fim da noite! As bebidas são artesanais e locais, e contam com toda a qualidade da cervejaria Sátira e do nosso querido e amado Xeque-Mate.
        Durante toda a semana o CRJ irá receber as atividades educativas do festival, que se encerrará com uma Mostra dos produtos gerados nas oficinas. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas entre os dias 30/09 e 25/10, através do link: www.vaitomando.com.br/festivalcriatura. Serão 7 oficinas, com cargas horárias que variam entre 2 e 12 horas e acontecerão entre os dias 03 e 07/11, com temas diversos que exploram a dança e o movimento, a comunicação e a interação, a música e outros sons, e empreendedorismo e a tecnologia.
       As rodadas de conversa e Mostra de Encerramento serão realizadas na sexta-feira, 08/11, entre 16h e 22h, com temáticas que abrangem as artes integradas, comunicação, empreendedorismo, cidades, cotidiano e tecnologia, e convidados ilustres como Raquel Bolinho, Tadeus Mucceli (FAD) e Léo Moraes (A Autêntica). Serão 4 mesas com sessões de dança, música, instalações sonoras e de videomapping e uma gravação do programa internacional So Far Sounds.
      Os objetivos do Festival são a capacitação através da diversidade de expressões artísticas, a interação entre diversos atores e artistas culturais, o fomento da cadeia econômica da área cultural, além de democratizar o acesso às oficinas e rodadas, promovendo assim a oportunidade de aprendizado e troca de experiências.

 

SERVIÇOS:

ABERTURA FESTIVAL CRIATURA 03/11: Concentração às 9h com café-da-manhã coletivo e saída às 10h em local próximo ao CRJ ainda a ser definido. Retorno e confraternização, 14h30.

OFICINAS: Atividades acontecem entre 04 e 07/11, no Centro de Referência da Juventude de BH – CRJ, Praça da Estação/Centro. Horários a confirmar.

RODADAS DE CONVERSA, MOSTRA DE ENCERRAMENTO: 08/11, 16 às 22, CRJ

Informações para a Imprensa

Samuel Lóes
Assessoria de Imprensa Festival Criatura
(31) 98898 1485

 

Abertura - 03/11 - Pedalando Pelos Muros, com Instituto Amado + Evento de abertura

Com um percurso de 10km, bem leve e recheado de histórias, o Pedalando Pelos Muros perpassa por mais de 50 murais de Belo Horizonte. Ao longo do caminho, paramos em marcos importantes, corredores construídos por festivais e murais que desenham a história da arte urbana local. São murais de artistas locais, brasileiros e gringos, espalhados por uma Belo Horizonte inquieta e imprecisa. 

A Yellow Bikes irá disponibilizar 20 bicicletas para os participantes e todos são bem-vindos. Esta edição começará às 9h com um piquenique/café da manhã , bem pertinho da CRJ. 10h partimos para a intrépida aventura de ler e assistir a murais inquietantes que a cidade tem a fornecer. Pedalando com calma e em grupo, a cada parada discutimos sobre as obras e seus temas, técnicas e motivações. Chegamos ao fim do curso em torno de 14h30 para celebrar toda a troca e conhecimento adquirido ao longo de um percurso cheio de surpresas.

A pedalada irá terminar em uma celebração de abertura do festival, que será realizada na rua Antônio de Albuquerque, na porta da galeria Quarto Amado, em frente ao número 384, na Savassi. A festa será gratuita e aberta ao público, e a programação musical contará com os DJs Fumaça, Raquel Feu e Bill, tocando o evento até o fim da noite! As bebidas são artesanais e locais, e contam com toda a qualidade da cervejaria Sátira e do nosso querido e amado Xeque-Mate.

Pedalada: de 9h às 14h
Limite de vagas: 20 vagas

Ponto de partida: Porta do CRJ

Festa de Abertura: de 14h às 0h

Instituto Amado

O Instituto Amado foi criado pela galeria de arte Quartoamado

com o objetivo de desenvolver projetos de Arte Pública e Educação

que possam fortalecer laços afetivos de permanência, encantamento

e pertencimento em cidades, comunidades e vilarejos. Por meio de

Residências Artísticas e Cursos Livres, entendemos o espaço urbano

e natural como salas de aula para um aprendizado lúdico e sensível.

 
AF•Yellow Logo_RGB-02.png

Oficinas 

Serão 7 oficinas, com cargas horárias que variam entre 2 e 12 horas e acontecerão entre os dias 03 e 07/11, com temas diversos que exploram a dança e o movimento, a comunicação e a interação, a música e outros sons, e empreendedorismo e a tecnologia. Foram escolhidos educadores representativos capazes de dialogar com as artes de forma integrada, isso quer dizer não só combinar as linguagens que conhecemos, mas, exercitar visões que possibilitem o surgimento de novas sensibilidades e formas de se comunicar artisticamente em nosso cotidiano. O uso de tecnologias inovadoras, metodologias colaborativas e de grande potencial expansivo também são critérios que direcionam nossas seleção. Os nomes escolhidos por compartilharem esse olhar com o Criatura foram:

Obs: Os candidatos inscritos irão passar por um processo de seleção segundo critérios de públicos de cada oficina, de descentralização e de democratização do acesso.

Empreendedorismo para Líderes Comunitários, com Kdu dos Anjos

Kdu dos Anjos irá trazer sua experiência plural, que carrega consigo o desejo pelo novo e a coragem para experimentar. Gestor da sua própria carreira, aos 28 anos Dos Anjos se destaca no empreendedorismo de periferia do Brasil e tem trabalhos assinados em diversas áreas do universo artístico. É criador do Centro Cultural Lá da Favelinha, um ponto de resistência, criatividade e empreendedorismo localizado no Aglomerado da Serra, em Belo Horizonte. Tudo começou em 2015, quando Kdu dos Anjos iniciou uma oficina de MCs para jovens do local. De lá para cá, o centro cultural cresceu e não parou mais, transbordando com iniciativas e colaborações tanto na comunidade quanto fora dela. 

05 e 06/11

19h30 às 21h30

20 vagas

Kdu dos Anjos

Kdu dos Anjos é um artista plural que  acumula uma vasta

experiência no universo das artes, Dentre suas realizações, citamos a
oficina de MCs “Lá da Favelinha”, que posteriormente veio a se
tornar o Centro Cultural Lá da Favelinha. Formado em Empreendedorismo

Criativo pelo Mecha, MC da culturaHip Hop, poeta, compositor, ator,

arte educador, criador do Sarau Vira-Lata, Dos Anjos
se destaca como um dos mais promissores nomes da cena
independente contemporânea de Belo Horizonte.

Criaturas Soltas - Oficina de Objetos Interativos, com Remonte

A oficina Criaturas Soltas é uma oficina de Objetos Interativos, uma mistura de Arte e Tecnologia para todos os amantes do mundo da arte digital! Um espaço livre de experimentação para dar vida a objetos através da tecnologia do videomapping.
 

São somente 10 vagas e os inscritos passam por um processo de seleção.

Idade mínima 10 anos
 

Durante três dias, os participantes irão montar uma Criatura, que ganhará vida em uma projeção mapeada que será exposta e sentida na Mostra de Encerramento, 8/11, no CRJ (Centro de Referência da Juventude)

05, 06 e 07/11,

de 9:30 às 11:30

Limite de Vagas: 10 pessoas (idade mínima 10 anos)

Coletivo Remonte

Remoldar, Reconstruir, REMONTAR!
Na prática, na lógica (e na ausência dela também). 
Na experiência, na essência, na resistência. 
Nos códigos, conexões e interações

Remonte é um coletivo imaginário, cuja a ideia é unir desejos

comuns de pessoas completamente diferentes, que foram

unidas pela vontade de experimentar novos sentidos e fazer sentir,

através da tecnologia. 

Arte e tecnologia. Códigos e pessoas. Digital e presencial.

Cada vez mais remontados! 

Convidamos vocês à navegar nesse mundo de if - else e criar sensações.

Oficina de Produções Sonoras Experimentais para Deficientes Visuais e Pessoas com Transtorno Mental, com Marcos Catarina

 

O objetivo da oficina é trabalhar com o potencial expressivo e criativo das linguagens sonoras como forma de incentivar os participantes a fazerem uso destas experiências em produções com formato livre, que os permite serem também criadores que consigam traduzir com mais precisão os sentimentos e as memórias das imagens. As experiências e percepções do público participante poderão contribuir para tradução de sentimentos complexos, difíceis de serem decifrados, como o sentimento de opressão causado pelas paisagens sonoras dos grandes centros urbanos. Serão explorados percursos e pontos afetivos no hiper centro de Belo Horizonte enfatizando seus aspectos sonoros, com a realização de registro dos mesmos. Compreendemos que as relações são os valores mais ricos da nossa cultura, portanto, nos aprofundaremos nas perspectivas diversas para ofertar ao público geral experiências que explorem as particularidades de nossos sentidos ou suas ausências, e a riqueza das diversidades. 

 

05, 06 e 07/11, de 14h às 17h

20 pessoas (a partir de 14 anos)

Marcos Catarina:

Músico compositor e arte educador. Trabalha como oficineiro em

música para crianças e adolescentes em Ongs, escolas públicas

e privadas, atua também em espaços culturais da cidade de

Belo Horizonte e Nova lima

Vivência em Dança Contemporânea com Corpo Cidadão 

O Projeto Corpo Cidadão, braço social do Grupo Corpo, convida bailarinos com experiência em dança, para um mergulho de duas horas na linguagem de movimento desenvolvida pelo Rodrigo Pederneiras para o Grupo Experimental de Dança (GED). Esse encontro será ministrado por Danielle Pavam, ex-bailarina do Grupo Corpo e coordenadora e ensaiadora do GED desde 2013. O resultado desta vivência será compartilhado com o público na Mostra de Encerramento do festival.

07/11

9h30 às 11h30

30 vagas

Corpo Cidadão

O Corpo Cidadão é uma associação sem fins econômicos, de direito privado,

reconhecida como utilidade pública, comprometida com a construção de

uma cultura que valoriza a diversidade, a liberdade expressiva e a

convivência pacífica das diferentes formas de ver e viver a vida. Situamo-nos

no campo da arte e da educação, promovendo ações que visam desenvolver

as potencialidades humanas, a realização pessoal e a atitude cidadã.

https://corpocidadao.org.br/

Oficina de Improvisação Dirigida na técnica Conduction®, com Guilherme Peluci

Workshop, de caráter prático, que aborda técnicas de improvisação em grupo, os princípios da comunicação por gestos e trata do domínio da literatura dos instrumentos e da vivência musical em conjunto. Tem o objetivo de discutir e realizar ideias musicais por meio da prática e da experimentação e da miscigenação entre músicos de prática erudita e popular. Um projeto artístico colaborativo de improvisação coletiva e criação espontânea. Baseado no sistema desenvolvido por Lawrence Butch Morris, Conduction® é conduzido por Guilherme Peluci. Mutável em vários âmbitos, tem como objetivo a colaboração de múltiplos artistas em seus processos de invenção. “Conduction® é a ação de transmissão e transformação de um vocabulário de sinais e gestos ideográficos, diretrizes que são ativadas para modificar ou construir um arranjo ou uma composição. Cada diretriz transmite informações generativas que são interpretadas individualmente e coletivamente, gerando possibilidades imediatas para alterar ou iniciar harmonia, melodia, ritmo, articulação, fraseado ou forma, através da manipulação de tonalidade, intensidade, temperamento, textura, duração e ordem. É uma interação em tempo real de estrutura e conteúdo, entre condutor e orquestra, manipulando e explorando informações simbólicas e sonoras.” - Lawrence Butch Morris.

A oficina terá como produto uma apresentação que será realizada no CRJ na sexta-feira, 08/11, às 20h. A performance será gravada em uma edição especial do Sofar Sounds Belo Horizonte.

05 a 07/11

Apresentação 08/11

Horário: 9 às 12h

Número de pessoas: 20

Guilherme Peluci

 Músico, Arquiteto, Regente com experiência substancial em Improvisação

Dirigida. Bacharel em Arquitetura e Mestre em Música, Especialista em

Conduction®, Soundpainting, Percussión con Señas e Game Pieces de

John Zorn. Como regente do projeto Ad Hoc Orquestra, conduziu mais

de 300 instrumentistas, de diversos países e gêneros musicais.

Oficina de Cobertura Midiática para Instagram, com Associação Imagem Comunitária

 

Nesta oficina, os participantes terão contato com técnicas de cobertura midiática de eventos via Instagram, tais como: introdução à linguagem do Instagram, formatação textual, composição visual, técnicas de fotografia e filmagem aplicadas aos dispositivos portáteis e edição de imagem por meio de aplicativos. 

O produto final da oficina será uma cobertura colaborativa da Mostra de Encerramento.

 

05 e 06/11, de 14h às 18h

Número de participantes: 20 jovens, a partir de 14 anos

 Associação Imagem Comunitária (AIC)

Está localizada na capital mineira, mas sua atuação está para além

da cidade de Belo Horizonte. Os objetivos da ONG são capacitar

dos diversos segmentos da população para conhecimento e utilização

das novas tecnologias audiovisuais, implantar meios de comunicação

acessíveis ao público e sensibilizar as pessoas para a reflexão acerca

da informação e dos meios de comunicação. 

http://aic.org.br/

Rodadas de Conversa e Mostra de Encerramento

As Rodadas de Conversa e Mostra de Encerramento serão realizadas na sexta-feira, 08/11, entre 16 e 22h, com temáticas que abrangem as artes integradas, comunicação, empreendedorismo, cidades, cotidiano e tecnologia, e convidados ilustres.

Serão 4 mesas seguidas de sessões de dança, música, instalações sonoras e de videomapping.

Obs: Atividades gratuitas e abertas ao público. 

 

16h Mesa 1 - Espaços de Produção de Conhecimentos Sobre Artes 

Lugares e projetos disponíveis em Belo Horizonte para a realização de atividades culturais com a promoção de trocas de conhecimentos sobre as artes. Uma conversa que irá reunir atores e experiências proporcionadas por espaços institucionais e iniciativas da sociedade civil.

Participantes:

 - Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte

 - Lucas Amorim (Cefart) Centro de Formação Artística e Tecnológica da Fundação Clóvis Salgado

 - Léo Moraes (A Autêntica) 
 - Bim Okoyo (Fórum das Juventudes)

17h Mesa 2: Artes, Inclusão e Cidadania

Os convidados dessa mesa exploram a riqueza das diversidades e as artes como espaço para diálogo entre grupos e perspectivas diversas. A conversa é uma reunião de iniciativas no campo da arte e da educação, promovendo ações que visam desenvolver as potencialidades humanas, a realização pessoal e a atitude cidadã.

Participantes:

 - Marcos Catarina
 - Henrique Caixeta (Associação Imagem Comunitária) - AIC
 - Lá da Favelinha

18h Mesa 3 - Artes Integradas

Um olhar para a conexão entre artes que um dia já foram segmentadas implica o olhar para as relações que tornam possível e compõe a sua integração. Trata-se de explorar o potencial das artes de desmontar os elementos de cada texto e os reorganizar, devolvendo novos significados à linguagem. A mesa é uma proposta de olhar para as artes englobando o conteúdo de diferentes linguagens não apenas pelas suas estéticas, mas também pelas suas técnicas e métodos de trabalho, para as novas formas do fazer artístico que colocam em sinergia processos interativos, abertos e coletivos.

Participantes:

 - Danielle Pavam (Corpo Cidadão)

 - Tadeus Mucelli (Festival de Artes Digitais)
 - Guilherme Peluci (Conduction)
 - Coletivo Remonte (Oficina Criaturas Soltas)

19h Mesa 4 - Arte e Cotidiano

Conversas sobre a impossibilidade de certas obras serem expostas em um quadro, ou mesmo dentro de um museu, por se tratarem de obras que dependem da experiência cotidiana com o outro para existirem. Uma reflexão sobre a presença viva da arte na cidade, com obras que não cabem em um quadro.

Participantes:

 - Maria Raquel Bolinho
 - Bernardo Biagioni (Instituto Amado)
 - Eduardo de Jesus (Pragmáticas da Imagem - PPGCOM/UFMG)

 
 
 
 
 
 
 

08/11

16h

17h

18h

19h

20h

Apresentação de dança com os participantes da Vivência em Dança Contemporânea

20h10

Gravação do Sofar Sounds com apresentação musical com os participantes da Oficina Conduction + 2 convidados

 

Apoio:

Ficha Técnica

Realização

Patrocínio

AF•Yellow Logo_RGB-02.png

Apoio

Ilustração

Comunicação

Mariana Seabra

Mobilização

Bim Okoyo

Consultoria

Tadeus Mucelli

Financeiero

Lu Eller

Design

Thaís Lima

Parceiros

Redes Sociais

Assessoria de Imprensa

Samuel Bastos Loes